publicidade
cria

Mortalidade infantil por causas evitáveis tem menor taxa em 28 anos

O Brasil reduziu em 51,5% o n├║mero de mortes de crianças com at├ę 5 anos de idade entre 2000 e 2022.

Por Redação Agência Brasil em 26/03/2024 às 10:38:13

O Brasil reduziu em 51,5% o n├║mero de mortes de crianças com até 5 anos de idade entre 2000 e 2022. Os dados são do Observatório da Atenção Prim├íria à Sa├║de, uma plataforma da associação Umane, com base no Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Sa├║de.

Em 2000, o n├║mero de mortes até os 5 anos foi de 79.473 para 3.053.553 nascidos vivos. Em 2022, o n├║mero de mortos foi de 38.540 para 2.561.922 nascidos vivos. A taxa de mortalidade a cada mil nascidos vivos também caiu, passando de 26 para 15, na mesma base de comparação.

Apesar da queda, h├í taxas menores nos anos anteriores. Ainda com base no Observatório da Atenção Prim├íria à Sa├║de, em 2020, a taxa ficou em 13,2 por mil nascidos vivos e, no ano seguinte, em 13,8 em 2021.

Dados divulgados pelo Ministério da Sa├║de na ├║ltima sexta-feira (22) indicam também tend├¬ncia de queda na mortalidade infantil. O Brasil registrou, em 2023, a menor taxa de mortalidade infantil e fetal – até 1 ano de idade – por causas evit├íveis dos ├║ltimos 28 anos.

Segundo dados preliminares do Painel de Monitoramento da Mortalidade Infantil e Fetal, no ano passado, houve 20,2 mil mortes, o menor n├║mero de uma série histórica desde 1996. O n├║mero representa queda de 62% das mortes até 1 ano, se comparado com o in├şcio do monitoramento, quando o total de mortes ficou em 53,1 mil.

De acordo com o Ministério da Sa├║de, ao longo desse per├şodo, a queda mais brusca no ├şndice ocorreu nos anos de 2006 e 2007. Foram registradas 34 mil e 31,9 mil mortes infantis e fetais em cada um dos anos, respectivamente.

As mortes evit├íveis são aquelas que poderiam ser barradas por ações de imunoprevenção, adequada atenção à mulher na gestação e parto e ao recém-nascido, ou por meio de diagnósticos corretos, explicou a pasta.



Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro

Comentários