publicidade
cria

Casos de S√≠ndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) continuam crescendo em todo o pa√≠s

O novo Boletim InfoGripe, divulgado nesta quinta-feira (14) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), sinaliza crescimento de S√≠ndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na maior parte do pa√≠s, em todas as faixas et√°rias analisadas.

Por Redação Agência Brasil em 15/03/2024 às 14:30:29

O novo Boletim InfoGripe, divulgado nesta quinta-feira (14) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), sinaliza crescimento de S√≠ndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) na maior parte do pa√≠s, em todas as faixas et√°rias analisadas. Segundo a Fiocruz, o atual quadro é decorrente dos diversos tipos de v√≠rus que estão circulando no território nacional, entre os quais o Sars-CoV-2 (covid-19), influenza (gripe), v√≠rus sincicial respiratório (VSR) e rinov√≠rus.

Referente à Semana Epidemiológica (SE) 10 (de 3 a 9 de março), o estudo tem como base dados inseridos até 11 de março.

O boletim destaca que os casos de SRAG por covid-19 aumentaram nos estados do Centro-Sul. Em Goi√°s, Rio de Janeiro e São Paulo, a an√°lise aponta desaceleração do crescimento de SRAG em idosos nas √ļltimas semanas. Os casos de SRAG por influenza A (gripe) aumentaram em estados do Nordeste, Sudeste e Sul. Nessas duas √ļltimas regiões (Sudeste e Sul), os casos ocorrem em combinação com o aumento por covid-19. J√° em relação às ocorr√™ncias associadas ao VSR, verifica-se crescimento em estados de todas as regiões brasileiras.

Como foi ressaltado no boletim da semana passada, a SRAG segue impactando crianças de até dois anos de idade, tendo VSR como principal agente desse crescimento de casos. O v√≠rus influenza vem aumentando a ocorr√™ncia de SRAG em crianças, pré-adolescentes e idosos. A incid√™ncia de SRAG por covid-19 mantém maior impacto nas crianças pequenas e na população a partir de 65 anos de idade. J√° a mortalidade da SRAG tem se mantido de forma significativa mais elevada nos idosos, com predom√≠nio de covid-19.

O coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes, pesquisador do Programa de Computação Cient√≠fica da Fiocruz (Procc/Fiocruz), comentou que o aumento recente no grupo de 5 a 14 anos constatado na an√°lise pode estar relacionado ao rinov√≠rus, à influenza e ao Sars-CoV-2 (covid-19). Entre os casos positivos deste ano, 10,1% são influenza A; 0,3% são influenza B; 12,7% são VSR; e 65,4% são Sars-CoV-2 (covid-19). Nas quatro √ļltimas semanas epidemiológicas, a preval√™ncia entre os casos positivos foi de 14,2% para influenza A, 0,3% para influenza B; 14,5% para VSR; e 61,1% para Sars-CoV-2 (covid-19).

Estados e capitais

O boletim divulgado hoje mostra que 24 estados apresentam ind√≠cios de crescimento de SRAG na tend√™ncia de longo prazo (√ļltimos seis meses). São eles Alagoas, Amap√°, Amazonas, Bahia, Cear√°, Distrito Federal, Esp√≠rito Santo, Goi√°s, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Par√°, Para√≠ba, Paran√°, Pernambuco, Piau√≠, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

Entre as capitais, 20 apresentam sinal de crescimento nos casos de SRAG: Aracaju (SE), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Macap√° (AP), Maceió (AL), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Lu√≠s (MA), São Paulo (SP), Teresina (PI) e Vitória (ES).

Em n√≠vel nacional, o cen√°rio atual sugere sinal de expansão nas tend√™ncias tanto de longo prazo (√ļltimas 6 semanas) como de curto prazo (√ļltimas 3 semanas). No ano epidemiológico 2024, j√° foram notificados 16.550 casos de SRAG, sendo 6.639 (40,1%) com resultado laboratorial positivo para algum v√≠rus respiratório, 6.778 (41,0%) negativos, e pelo menos 2.183 (13,2%) aguardam resultado laboratorial.

Óbitos

Com relação aos casos de SRAG, j√° foram registrados este ano 1.218 óbitos, sendo 725 (59,5%) com resultado laboratorial positivo para algum v√≠rus respiratório, 400 (32,8%) negativos, e ao menos 54 (4,4%) estão aguardando resultado laboratorial.

Entre os positivos do ano corrente, 5,2% são influenza A; 0,3% são influenza B; 1,2% são VSR; e 90,9% são Sars-CoV-2 (covid-19). Nas quatro √ļltimas semanas epidemiológicas, houve preval√™ncia, entre os casos positivos, de 7,6% para influenza A; 0% para influenza B; 1,3% para VSR; e 89% para Sars-CoV-2 (covid-19), aponta o boletim.



Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro

Coment√°rios