publicidade
cria

Hansen√≠ase: pacientes contam hist√≥rias de preconceito e superação

João Victor Pacheco, 28 anos, descobriu que tinha hansen√≠ase aos 17 anos, quando trabalhava como padeiro.

Por Redação Agência Brasil em 30/01/2024 às 10:52:45
Reprodução internet

Reprodução internet

João Victor Pacheco, 28 anos, descobriu que tinha hanseníase aos 17 anos, quando trabalhava como padeiro. "Comecei a ter queimaduras, mas não sentia". A diminuição ou perda da sensibilidade térmica é um dos sintomas da doença. "Desde então, comecei a minha luta, o ativismo" disse, em conversa com a jornalista Mara Régia no programa Viva Maria, da R√°dio Nacional.

"Buscar o diagnóstico j√° é um grande desafio. Os profissionais de saúde não t√™m o conhecimento necess√°rio, não fazem o que precisa ser feito. Estou no meu terceiro tratamento. Iniciei em 2014, depois, fui reinfectado, em 2017. Em 2019, tratei de novo, com resist√™ncia. Mas, se em 2014 tivessem examinado meus familiares, poderia não ter acontecido isso."

O jovem mora em Cuiab√°, capital mato-grossense. O estado é considerado end√™mico para hanseníase e ocupou, por muitos anos, o primeiro lugar no ranking brasileiro de casos. "De que adianta ter bastante caso diagnosticado e não ter serviço", questiona o rapaz. Sobre o preconceito vivido desde os 17 anos, ele rebate: "Não sofro, mas acontece".

"O preconceito e a discriminação fazem parte da realidade que a gente est√°. A gente coloca pra dentro da nossa mente o que é bom. E o preconceito só é bom quando a gente desconstrói esse preconceito. Mas, quando a gente recebe, não é bom não. É um pré-conceito, a pessoa est√° l√° achando que é, mas só a gente sabe o que a gente passa."

A técnica em nutrição Marly Barbosa de Araújo também denuncia a falta de conhecimento dos profissionais de saúde acerca da doença. Moradora de √°rea nobre na capital federal, ela conta que o diagnóstico tardio veio em razão de falhas no atendimento, j√° que precisou passar por v√°rias unidades até conseguir uma resposta.

"Digo sempre que eu sofri um 'preconceito ao contr√°rio' dos profissionais de saúde. Como eu morava numa quadra de classe média alta em Brasília, eles não pensaram em hanseníase. Isso atrasou o meu diagnóstico. A gente tem que desmistificar que hanseníase é coisa de pobre. Doença não escolhe classe social."

Marly conta que uma de suas vizinhas chegou a pedir que ela vendesse seu apartamento quando soube do diagnóstico de hanseníase e insinuou que o imóvel poderia ter sido desvalorizado em função da doença da propriet√°ria. "Disse a ela: do mesmo jeito que eu era dona do meu, ela era dona do dela e, se ela quisesse, que vendesse o dela".

"Mas não vamos querer dizer que o preconceito é falta de informação só não. Se fosse só falta de informação, o profissional de saúde não seria preconceituoso. Ele tem informação sobre a hanseníase e, ainda assim, eu sofri muito preconceito", disse. "Pessoas esclarecidas também são preconceituosas", concluiu.

Brasil

Entre janeiro e novembro de 2023, o Brasil diagnosticou ao menos 19.219 novos casos de hanseníase. Mesmo que preliminar, o resultado j√° é 5% superior ao total de notificações registradas no mesmo período de 2022.

Segundo as informações do Painel de Monitoramento de Indicadores da Hanseníase, do Ministério da Saúde, o estado de Mato Grosso segue liderando o ranking das unidades federativas com maiores taxas de detecção da doença.

Até o fim de novembro, o total de 3.927 novos casos no estado j√° superava em 76% as 2.229 ocorr√™ncias do mesmo período de 2022. Em seguida vem o Maranhão, com 2.028 notificações, resultado quase 8% inferior aos 2.196 registros anteriores.

Dia Mundial

O Dia Mundial de Combate e Prevenção da Hanseníase é celebrado sempre no último domingo do m√™s de janeiro.

A hanseníase é uma doença infecciosa causada pela bactéria Mycobacterium Leprae, também conhecida como bacilo de Hansen (em homenagem à Gerhard Hansen, o médico e bacteriologista noruegu√™s descobridor da doença, em 1873). O bacilo se reproduz lentamente e o período médio de incubação e aparecimento dos sinais da doença é de aproximadamente cinco anos, de acordo com informações da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Os sintomas iniciais são manchas na pele, resultando em lesões e perda de sensibilidade na √°rea afetada. Também pode acontecer fraqueza muscular e sensação de formigamento nas mãos e nos pés. Quando os casos não são tratados no início dos sinais, a doença pode causar sequelas progressivas e permanentes, incluindo deformidades e mutilações, redução da mobilidade dos membros e até cegueira.



Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro

Coment√°rios